O ano crucial de 2020

 In Migalhas Astrologicas

Uma conjunção  de 4 planetas, em Capricórnio, dá a tônica a partir do início deste ano, especificamente a partir do Ano Novo Astrológico, em 20 de março, extremamente significativo para toda a Humanidade e se estende até 2023.

Muitas profecias falam em três dias de sombras e que todos devem ficar em suas casas e não abrir suas portas, etc. Estou convencida de que você já leu a este respeito, não é, caro leitor?  E se não fossem 3 dias e, sim, três anos? 2019 está dando uma amostra do que nos aguarda. Você já observou que precisa de mudanças quase diárias para compreender (ou tentar, pelo menos) tudo o que vem acontecendo? As profundas transformações estão ligadas a Plutão. E se esse não abrir as portas significar que você deverá fazer grandes exames a respeito de sua forma de ser e se reformular para o novo?  E se este se reformular passa pela ideia de uma ampla conexão com a Espiritualidade?  Então, aprendemos que as profecias não são nem claras e nem devem ser levadas ao pé da letra.  Elas demandam raciocínio profundo, não preso às palavras no seu sentido lato,  mas à ideia a que remetem.

A grande conjunção a que me refiro são os planetas Marte, Júpiter, Saturno e Plutão conjuntos em Capricórnio, na casa 10, no Meio do Céu. O ponto mais alto de seu mapa natal, aquele que mostra o que você veio fazer no mundo.  Isto no caso pessoal.  Como estamos falando de energias para um ano (ou, no caso, três) num aspecto mundial, podemos afirmar que o que conhecemos não será mais como é e tudo vai mudar.

Já havíamos comentado que, em 2017, entramos num novo ciclo saturnino,  que se estende por 36 anos; isto é, até o final de 2053. Saturno regeu o ano de 2017.  2018 foi regido por Júpiter. 2019 está sendo regido por Marte e 2020 terá os três novamente, acrescidos de Plutão. Convém lembrar que, quando este ciclo aconteceu anteriormente, foi no período em que a Bastilha caiu e deu início à Idade Contemporânea. Sabemos perfeitamente que o mundo deixou de ter uma conformação e passou a ter outra.  O desenvolvimento se acelerou e basta que reveja a História para relembrar todos  os avanços.  E, sem dúvida, todas as dificuldades.

Então:  Saturno é o regente do ano que vai se iniciar, ladeado por Marte (até maio), Júpiter e Plutão.  Nitroglicerina pura.  Reconstrução sob outras bases.  A presença de Júpiter (regente de Sagitário) determina que a fé deve ser um dos pontos mais fortes deste novo ciclo.  Sem ela, você não chegará a lugar nenhum, sobretudo porque esta conjunção está em Capricórnio, que é a cabra montesa.  Esta cabra sobe a montanha, sem medo, mesmo que seja extremamente íngreme.  Não sabe o que é ter medo.

No momento em que escrevo, a Catedral de Notre Dame ardeu há três dias.  E gerou uma comoção mundial.  Algumas coisas são  marcantes:  a flecha, símbolo gótico que mostra que a grandiosidade terrena não deve ser desprezada e que Deus deve sempre ser glorificado, porque faz com que todos olhem para cima e percebam que, para além das coisas terrenas, há Deus, que tudo governa.  A queda da flecha, a primeira a ruir, inteira, de uma só vez,  apontou o momento triste pelo qual passamos, onde a materialidade tomou o lugar de Deus.  Fala-se muito, mas não se vivencia essa fé verdadeira.  Por outro lado, grandes relíquias foram preservadas, como o altar-mor, em meio à destruição.  Ou seja:  independentemente de religião, você compreenderá que Deus se manteve presente. Mostrou que, sem Ele, nada se mantém. E deu a prova: mesmo com todo o fogo que ardeu de forma assombrosa, muitas relíquias se mantiveram intactas (inclusive o magnífico e imponente órgão) e ela não ruiu por completo.

Marte, no início de 2020, exercerá seu papel de deflagrador e acenderá o pavio para que tudo se reformule.  E Plutão acelerará tudo.  Não se poderá mais pensar no pessoal, mas no coletivo: Aquário é o signo do coletivo.  E estamos no início da Era de Aquário, que se mostrará com pujança, neste período.

As velhas estruturas, desgastadas e carcomidas por um tempo absolutamente podre em relação a valores, limites, exploração da fé, tudo isso cai por terra. Plutão pode, efetivamente, destruir, mas deixa a semente da reconstrução. Portanto, temos o trabalho de Saturno e Plutão, mostrando que a reconstrução sob outras bases é vital para que nosso mundo sobreviva.  E Júpiter entra com o sustentáculo da FÉ.  Se não a tivermos, não sobreviveremos. Veja só, amigo leitor, se você não tiver fé no que sonha ou no que faz,  como tocará ou mudará sua vida?

As pessoas precisarão renascer para a nova página em branco que se apresenta e colocar a FÉ em suas vidas de forma efetiva e não da boca para fora ou em mensagens fofinhas.  Muita coisa terá que desaparecer de nossas vidas para que o novo se estabeleça, sobretudo em relação a valores.  O divino precisará fazer, efetivamente, parte de sua vida para que você não se perca nesta nova forma de ser e de ver o mundo.

O ano de 2019 mostrou que a energia não pode ser desperdiçada em bobagens.  Muito se alterou neste ano.  No final do ano, as energias de Júpiter, Saturno e Plutão já começam a preparar o terreno para outras grandes mudanças.

Retorno à questão da FÉ.  Para que você possa operar uma grande mudança no seu código de valores, sua fé terá que estar embasada em conhecimento. Assim sendo, estude muito. Leia sobre o que interessar a você. Não há nada que seja certo ou errado.  Sua fé precisa estar ancorada naquilo que faz sentido para você.  Você não gosta de religiões, mas de filosofias que façam você refletir?  Excelente!  Você prefere uma religião com cânones precisos?  Excelente!  Vá em direção ao que complementar você.  Mas não jogue  Deus fora de sua vida.

Respeite-se e respeite o outro.  Fundamental para sua evolução.  É um dos pilares do século XXI.  Live and let live  (Viva e deixe viver).

No Tarot, 2020 é o Arcano 20: O Julgamento.  Temos dois vintes.  Será preciso que você saia de sua zona de conforto e empreenda uma jornada de transformações, para que não venha a ser julgado desfavoravelmente.  A trombeta que toca é a que julga e faz com que você também se julgue.  Julgar-se é olhar para si e ver o que precisa ser mantido e o que precisa ser reformulado. Ou seja: antes de determinar, peremptoriamente, o que é bom para o mundo, descubra o que é bom para você.  Garanto que seu olhar será muito mais complacente para com os demais.  E seus julgamentos contribuirão para que o mundo e as pessoas sejam muito melhores.

O que mais desejo para você é que escute a trombeta e desperte para uma nova etapa de vida. Sintetizando, que sua parte de essência divina seja muito maior que sua materialidade.

Fale com Monique S.

Agende uma consulta ;)